Blogue

Como é que toma as suas decisões?

Tomar as decisões certas em qualquer nível organizacional é um dos elementos essenciais de um negócio eficiente. Para escolher e avaliar atempadamente, indicadores chave baseados  naquilo sobre o qual tomamos decisões é uma competência, entre todas as outras, que acrescenta  valor adicional à nossa organização e que cria uma diferença chave.

Num ambiente empresarial moderno, os colaboradores aperfeiçoam as suas competências em várias áreas. O processo de tomada de decisão é atualizado para um nível completamente novo. Atualmente, ao longo deste processo, são consideradas perspetivas diferentes e,  perceções,  criatividade e o pensamento «out of the box» é fortemente suportado.

Nas próximas publicações do Blog, iremos focar-nos sobre algumas das capacidades e técnicas mais importantes, utilizadas na criação de novas perspetivas no processo de tomada de decisão, aliadas ao nosso ambiente empresarial.

No primeiro “post” abordar-se-á o «brain holism», capacidade para atingir o balanço entre o domínio racional e intuitivo, com o objetivo de ter uma visão completa sobre todos os elementos no processo de tomada de decisão.

«BRAIN HOLISM»

Há já algum tempo que o Homem tem estado consciente da existência de dois estilos diferentes de atividade comportamental. Um deles, relacionado com o processo lógico racional. O outro com as nossas capacidades mais criativas, intuitivas e visuais. Estamos familiarizados com ambos, apesar de aprendermos a confiar mais num do que no outro.

Estudos científicos  realizados ao longo dos últimos 20 anos, mostram que estes diferentes estilos de comportamento estão relacionados com diferentes áreas do cérebro. Especificamente, enquanto o processo racional, envolve a atividade do hemisfério esquerdo do cérebro, os poderes intuitivos residem no hemisfério direito.

A distinção foi observada pela primeira vez em 1962, por Roger Sperry, um neurologista americano. Sperry iniciou estudos que mostravam que cada hemisfério tem funções distintas. Foi criado um ecrã especial que permitiu Sperry, enviar imagens para partes particulares do cérebro. Quando a imagem de uma laranja era emitida para o lado hemisfério esquerdo do indivíduo em estudo, este, não tinha dificuldade em identificar o que estava a ser emitido. No entanto, quando a mesma imagem era projetada para o hemisfério direito, o indivíduo não conseguia identificar o objeto, mas conseguia selecionar uma laranja de um conjunto de objetos. Experiências  aperfeiçoadas, indicaram que a capacidade verbal está de alguma maneira, conectada ao hemisfério esquerdo.

Esta perspetiva também mostrou que a nossa capacidade de reconhecer símbolos, formas, rostos e outros estímulos visuais, está associada ao hemisfério direito.

Um segundo fundamento científico para a teoria do «brain holism» foi descoberto através de estudos a vítimas de AVC’s (Acidente Vascular Cerebral). Os sintomas dos pacientes que tiveram este tipo de problema neurológico do lado direito do cérebro, são diferentes dos que o tiveram do lado esquerdo. Quando o lado direito é paralisado pelo derrame, o indivíduo passa a depender apenas do lado esquerdo, continuando a falar normalmente, apenas num tom mais suave, sem transmissão de emoção. Está também associada à dificuldade em reconhecer rostos ou encontrar o caminho correto no hospital.

Quando é o lado esquerdo a ficar paralisado, o paciente consegue reconhecer rostos e perfis, mas através de uma linguagem muito pobre, palavras simples e frases não formuladas. O paciente tem também um nível mais elevado de sofrimento emocional.

O que este e outros estudos indicam, é que cada hemisfério tem associado a si, um processo comportamental característico. No entanto não é claro o modo como estas funções estão associadas a um determinando hemisfério. Aparentemente, cada um deles, tem a capacidade de executar qualquer função, mas desde cedo, começam a especializar-se num caminho que  leva a que o lado esquerdo se torne no lado racional, verbal, a máquina de pensamento sequencial e o lado direito num lado visual, um organismo de deteção intuitiva não-linear. Para pessoas que não tiveram derrames cerebrais ou que não foram submetidas a procedimentos de separação do crânio, os dois hemisférios trabalham em conjunto, passando informação e perspetivas sobre o corpo caloso. De um modo que permite a coordenação e a intencionalidade. O lado direito e esquerdo do cérebro têm funções diferentes. O lado esquerdo é o coração da nossa capacidade lógica. Na recolha e análise de informação no processo de fazer deduções e elaborar conclusões é a parte esquerda do cérebro que está fortemente envolvida. Na compreensão de equações ou relacionando o pensamento causa-efeito, o lado esquerdo está em funcionamento. Linguagem, a capacidade de selecionar palavras e frases formuladas, conseguindo usá-las para expressar com sentido, é uma atividade que corresponde à parte esquerda do cérebro. Quanto ao pensamento,  tende a ser redutor e particular, ou seja, observando as coisas reduzindo-as às suas partes componentes e a analisando cada uma delas.

A melhor palavra para caracterizar o pensamento do lado esquerdo seria, linear. Os acontecimentos sucedem-se um após o outro, em sequência, e as ligações são claras.

O pensamento do lado direito consegue ser descrito como não-linear. Muitas vezes, parece envolver um elemento surpresa, sendo por vezes aleatório e “desorganizado”.

Enquanto que este estilo de pensamento, envolve olhar para trás e visionar uma situação como um todo, o do lado esquerdo, envolve uma recolha e processamento cuidado da informação. Onde o pensamento do lado direito envolve uma consciência intuitiva e repentina, uma compreensão perspicaz,  o do lado esquerdo revela o significado através do uso de símbolos e metáforas.

Fá-lo por causa de duas outras características cerebrais básicas, relacionadas com o lado direito: a orientação visual e capacidade associativa. O lado direito do cérebro responde às formas, tamanhos e cores e dimensões espaciais, permitindo-nos recordar um rosto, mesmo quando o nome é esquecido. A sensibilidade a sons também é uma qualidade do lado direito do cérebro , tendo também a capacidade de fazer associações ou conexões entre itens e eventos.

O dia-a-dia, aparenta ser mais afetado pela atividade cerebral do lado esquerdo, maioritariamente, porque o hemisfério direito é não-verbal. Nós não estamos conscientes sobre a sua atividade como estamos sobre a atividade do lado esquerdo que envolve o uso de  discussão interna e pensamento racional crítico.

Ambos os estilos são na verdade, usados com a maioria das atividades, ambos em negociações empresariais e fora do ambiente laboral. Quando usados em conjunto, estão no seu melhor. Quando jogamos um jogo, a parte esquerda do cérebro consegue favorecer o estabelecimento da estratégia, no entanto, o lado direito é indispensável na coordenação, movimentos corporais e na avaliação do enquadramento do jogo.

Durante a condução de um veículo, o lado esquerdo do cérebro, é utilizado na análise dos problemas, mas o lado oposto é utilizado para avaliar distâncias e direções. No processo de comunicação, enquanto que o lado esquerdo é útil na criação de conceitos e  na análise de respostas, o direito é mais sensível a percecionar os sinais não-verbais e a linguagem corporal.

Quando tomamos decisões, enquanto o lado esquerdo do cérebro é preenchido apenas com estatísticas, dados e expetativas realísticas, o lado direito, direciona-se para uma abordagem intuitiva, captando o que está para lá da imagem das usuais e conhecidas práticas, da incerteza e da abordagem criativa. Aquilo que é importante para nós, é manter ambos os hemisférios equilíbrio, estimulando mais aquele que é necessário, dependendo das circunstâncias.

No próximo artigo, iremos expor uma das ferramentas para dar energia ao hemisfério certo – através da criação de analogias.

 

 

 

As 5 palavras que deve eliminar do seu vocabulário

Neste artigo explorarmos como a linguagem e o que dizemos a nós próprios impacta a forma como nos motivamos, como alcançamos níveis de elevado desempenho e como vivemos a vida que desejamos. Olhamos também para a 5 palavras e frases que mais nos afetam negativamente e repomo-las com outras palavras e frases poderosas que apoiam a nossa motivação, sucesso, amor , gratidão e conquistas.

Vamos diretos ao assunto.

As nossas ações criam a nossa vida… Concorda? Os nossos pensamentos são-nos comunicados em forma de linguagem… Concorda? Então… como podemos viver a nossa maior, mais expressiva e mais adorada vida se usamos vocabulário que nos diminui, enfraquece e desencoraja.

Sabia que qualquer pessoa, talvez mesmo você próprio que adora usar frases como: “Isto só acontece a mim”, “A vida é madrasta”, “Eu nãããããããão consigo”, “Nunca!” “Simplesmente não consigo vencer”, “Preso por ter cão e preso por não ter”

O maior problema com estas frases, não é que sejam negativas ou egocêntricas, é que nos impedem de agir , Frases como estas paralisam-nos e enganam-nos fazendo-nos pensar que não temos poder e não temos escolha. Isto é um disparate.

E se as nossas palavras inspirassem, empoderassem e re-energizassem a nós e aos outros?

Criei uma lista de cinco palavras e frases de topo que pode querer eliminar do seu vocabulário. Também incluí substitutos.

1.Eu não consigo.

Tem razão! Se diz que não consegue tem razão,  é o fim. Tão simples quanto isso. A porta está fechada e trancada. Contudo, talvez tenha razão. Talvez neste momento não consiga correr 3 milhas duma só vez, talvez não consiga terminar o projeto em 3 horas, talvez não consiga perdoar de imediato uma pessoa. Dito isto, tem de aprender a fazê-lo. Eu devo aprender, eu irei aprender, eu estou a preparar-me para fazê-lo… estas frases são muito mais empoderadoras que o lançarão à ação, assumir riscos e crescer.

2. Fracasso.

Não há fracasso, apenas feedback- apenas resultados. Poderão não obter os resultados que quer, mas não confunda isto com fracasso. E por favor nunca se confunda com os seus resultados. Você nunca é um fracasso, mas está sempre a aprender. “Eu estou a aprender” é uma frase muito mais empoderadora que lhe permite tomar consciência dos resultados atuais e também mostram como está empenhado em descobrir uma forma de obter o resultado desejado. Aprender produz crescimento, enquanto que acreditar no fracasso produz desespero e stress.

3. Estou assoberbado

Dê mais crédito a si mesmo. Você é mais forte e mais resistente do que pensa. Não está assoberbado… está em alta. Isto não o faz sentir muito melhor? Você, a sua escola, família, chefe, negócio e amigos todos precisam de si, porque você tem muito para dar – dê. Estar em alta desenvolve o caracter e também o ajuda a aprender a priorizar.  Poderá sentir-se desafiado e posto à prova, poderá estar ocupado, mas você é demasiado forte para se sentir assoberbado.

4. Mas

Pare. Pare! Deixe de estar a criar um caso contra si. Deixe de racionalizar, as suas desculpas, procrastinação ou falta de produtividade. “Eu quero fazer isto mas…” Sempre quis fazer _______ mas…” Pare de tornar tão fácil impedir-se a si próprio de agir. Se não fez algo que disse que faria, ou não fez algo que queria fazer – assuma-o, ajuste e continue em frente. Não crie desculpas ou seja razoável com a palavra ‘mas’ porque sabemos  à medida que dizemos vezes sem conta algo…. começamos a acreditar. Não crie desculpas para evitar ter o melhor da vida.

5. Eu odeio

Ódio – emoções negativas distorce julgamento, torna os músculos tensos, diminui a respiração e coloca-nos num estado mental fraco. Não sobre reaja e foquemos apenas no positivo.Porquê ODIAR amendoins, mentirosos e trânsito quando preferimos amêndoas, honestidade e liberdade. “Eu prefiro” é uma forma clara de dizer o que gosto, não gosto ou espero. “Eu prefiro” também é empoderador e encaminha sempre a conversa e a experiência  numa direção positiva

Assuma o controlo das suas palavras, pensamentos, ações e vida!

“Os limites da minha linguagem significa os limites do meu mundo” ― Ludwig Wittgenstein

Que palavras quer eliminar do seu vocabulário?

Desenvolvimento dos recursos humanos – Qual a importância?

Nos últimos anos o investimento no desenvolvimento dos recursos humanos tem crescido rapidamente e as empresas estão dispostas a despender mais dinheiro para os seus trabalhadores. O ano passado empresas globais despenderam mais de $130 biliões. Esta é a evidência que chorudos salários e bónus no final do ano não conseguem manter a qualidade do trabalho, motivação e produtividade dos trabalhadores. (more…)